segunda-feira, 12 de agosto de 2013

GENTES DE OUTROS TEMPOS...

Como não me canso de dizer, antigamente a Força Aérea precisava de fazer a inspecção para ingresso nas suas fileiras a mais de 5 mil homens para conseguir incorporar uma Escola de Recrutas. Muitos diziam que se era da Força Aérea por cunha e não por merecimento, mas o inverso é mais consentâneo para reposição da verdade! Havia critério na selecção de quem iria ingressar, porque também não era para toda a gente  a aventura do ar, mas sim para os melhores.
Foi deste modo que exultei de alegria no dia em que, submetido às provas de selecção para as especialidades da FAP, me foi entregue  o documento que me dava como 'APTO'.
Hoje, passados 50 anos sobre a minha incorporação, que me levou a olhar com respeito e simpatia para aqueles Homens... que até nem eram diferentes do comum dos mortais, como alguém poderia supor, verifico que a Força Aérea pode ter evoluído no que ao material de voo e ajudas concerne, mas é minha convicção estar mal servida no qua a chefias respeita, não por incapacidade ou ineficácia para a função, mas porque se esqueceram de que é necessário dar prova de masculinidade na hora de enfrentar o advogado/político que se diz Ministro da Defesa e os seus sequazes, nos momentos que é preciso dizer 'NAO' às tropelias que ele e a pandilha que o segue vão tecendo contra as Forças Armadas. Por porcaria menos importantes se fez o 25 de Abril, que afinal foi apenas uma forma de ascensão para alguns, que nunca deram a cara no PREC nem coisa que o pareça... mas ascenderam a altos cargos políticos nesta Tropa destruída... mas como AINDA somos 'Forças Armadas'...
Quando a Força Aérea tinha gente diferente...
Não podia deixar de dar à estampa esta mensagem de um Camarada que usa a verticalidade para se afirmar Militar de corpo inteiro.
"Meus caros amigos.
Há poucos dias recebi um email bem representativo do que é descrito n’ ”O TRIUNFO DOS PORCOS” relatando que o CEMFA tinha sido desmentido em público pelo ministro (com “m” minúsculo) da Defesa, e, em vez de lhe ter pregado um par de estalos ou demitir-se logo ali, tinha sido um herói por ter demonstrado educação e não lhe ter batido.
Para mim, muito pelo contrário, o CEMFA foi, como tantos outros, um covarde em não ter atirado de imediato a toalha ao chão em frente de todos os que ali se encontravam.
Não é destes heróis que eu preciso.
Como este tenho eu às centenas.
A referida falta de educação do Ministro da Defesa em relação ao CEMFA, apenas demonstra que estes chefes, em vez de se levantarem e tomarem as decisões certas que poderiam fazer história face a dirigentes sem qualificação, sem nível e sem educação, querem transformar a sua covardia em actos de "enorme dignidade".
O incompetente valença pinto (com minúsculas dada a qualidade de verme) disse em entrevista à radio, depois de ter atingido o limite de idade, que todos os generais nomeados pelo Governo eram sempre mal escolhidos.
Tinha sido o caso dele!!!!!!!!
Em primeiro lugar, deixem que esclareça que não tenho nenhuma consideração por nenhum dos actuais generais no activo nem dos que por ali passaram nos últimos 10 anos (salvo alguma honrosa excepção de que não me lembro).
Depois deste esclarecimento deixem-me expressar o que eu penso sobre os "altos dignitários das Forças Armadas", passado meio ano após ter passado à reforma.
Todos aqueles que nos chefiaram nos últimos anos demonstraram uma verdadeira irresponsabilidade e falta de verticalidade perante o poder politico (são os célebres ciclistas de que o Guilherme falava), tendo o seu comportamento perante as difíceis situações que lhes foram apresentadas, tendendo sempre para que a coluna se curvasse perante a submissão e subserviência.
Na sua postura normal, apenas olham para as respectivas barrigas, em que apesar de o salário ser bastante inferior aos restantes dirigentes da função pública, contam com as despesas de representação, que recebem e não gastam no que deviam pois foi uma forma encapotada de lhes aumentar o vencimento, bem assim como as mordomias que seriam inteiramente merecidas, caso se comportassem como verdadeiros chefes militares.
O seu comportamento prima pela total irresponsabilidade que tem como resultado a triste situação das Forças Armadas e dos militares sob o seu comando.
Os generais são todos efectivamente uns "eunucos" como disse e muito bem o nosso companheiro de armas há já alguns anos atrás.
Se assim não fosse, muito gostaria de ter visto o que se teria passado, quando o Gen. Alvarenga foi destituído pelo portas (com minúsculas), se todos os generais da altura (caso fossem íntegros, honestos e verticais) tivessem recusado substitui-lo e nenhum aceitasse o convite para o cargo.
O que teria sido do portas?
Mas infelizmente o G que usam na designação da função não se trata de uma maiúscula mas sim do ponto G tão famosamente falado.
Assim, como podem reclamar da forma como são tratados e descriminados pela negativa face aos outros cargos dignitários da função publica, uma vez que os seus actos em nada os diferencia da maioria dos políticos que hipocritamente nos mentem descaradamente e diariamente?
Não vou sequer cair na tentação de calcular o ratio de generais por número de soldados pois isso demonstra bem o quanto está denegrido o posto face à responsabilidade e que se pode facilmente ver quando em tempo de guerras antigas um Capitão levava 150 homens e agora dois pelotões levam 1 Tenente Coronel.
Os generais têm muito a aprender com o actual Papa e devem deixar de calçar os “sapatos de verniz vermelho” quando se verifica que a actividade operacional está no ZERO, com as viaturas operacionais a servir para tudo menos para as operações, os CC não rolam, os aviões não voam, os navios não navegam e os submarinos não submergem.
Os ditos indivíduos pouco se importam se os militares sob o seu comando passam privações alimentares, que nos leva a tempos muito antigos.
Muito gostaria de ver uma boa reportagem jornalística, independente, que mostrasse as verdadeiras condições de vida dos poucos militares, que não os levam à rebelião porque não comem não dormem e vão todos para casa ao fim do dia.
A comida é de má qualidade, os géneros alimentícios são os de pior qualidade (pois quem não paga aos fornecedores recebe o que sobra dos restantes clientes), as fronhas são imundas, os colchões são do terceiro mundo com dezenas de anos de vida, os tabuleiros parecem ter sido recuperados de uma guerra, as instalações sanitárias nem se fala, as viaturas de transporte operacional, apesar de proibido, transportam os civis para as suas residências com cenas dignas de serem vistas.
Os referidos generais vivem satisfeitos no seu dia a dia com as G3 do tempo colonial, as Walther da 2ª GM e os capacetes que são alugados para documentários do Canal História, enquanto compram submarinos, para estarem nas docas, sem qualquer tipo de munições, os aviões não podem ser utilizados pela NATO por não possuírem as qualificações técnicas nem o armamento e os helicópteros apenas porque são pagos pelas verbas de Busca e Salvamento no mar e para transportar os VIP, mas mesmo assim com verbas muito desviadas até que foi necessário fazer de alguns "vacas" para lhes tirar peças.

ANTÓNIO D'ALMEIDA
Ex-Aluno dos Pupilos do Exército
Bacharel em Contabilidade

Licº Ciências Militares/AM (Ref)
Gestor de Empresas (Ref)"

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

POR VEZES... ACONTECE...!



"Domingo, 4 de julho de 1937, 10h20. Rua Barbosa du Bocage. António de Oliveira Salazar preparava-se para sair da sua viatura oficial, um Buick, frente à casa do seu amigo pessoal Josué Trocado, em cuja capela privativa costumava assistir à missa dominical. De repente, uma enorme explosão atroa os ares e esventra a rua. Fumo, pedras, lajes e placas voam pelos ares. Abre-se uma cratera larga e funda na rua.
A perplexidade é total.
Ouve-se gritos, gente que foge, pessoas que acorrem a ver o sucedido. Trocado precipita-se para a viatura. Ileso, sacudindo a poeira que o cobrira, o ditador sai da viatura pelo seu próprio pé, olha para os lados e aparentemente indiferente, frio, diz: «Vamos assistir à missa.» Esta é a extraordinária história, quase cinematográfica, do único atentado contra a vida de António de Oliveira Salazar, que o historiador João Madeira nos conta ao longo destas páginas. Reconstituindo factos, segue a investigação policial que imediatamente foi montada com exames, inspeções, denúncias e teses contraditórias e se torna numa verdadeira caça ao homem. É preciso encontrar culpados, a todo o custo.
Surge então o fantástico «grupo terrorista» do Alto do Pina. Mas a trama é mais complexa do que parece. 
Este é um acontecimento que se enquadra no contexto da guerra civil de Espanha e das ações de solidariedade desenvolvidas pela Frente Popular Portuguesa em convergência com os anarquistas."
 ...
Os jornais da época, as conversas de boca em boca à saída das igrejas, todos falavam em milagre. Mas na realidade, uma sucessão de episódios de circunstâncias inesperadas e de erros, nomeadamente no fabrico do tubo metálico, demasiado curto, que serviria de bomba, fez com que esta detonasse em sentido contrário do local preciso onde o carro estacionara.
Por pura sorte, António de Oliveira Salazar escaparia sem um arranhão deste atentado. 
No final, enquanto uns lhe pediam repouso, mantendo a pose bem afivelada, sorriu e respondeu «Como fiquei vivo terei de continuar a trabalhar».


Segundo o historiador Manuel Loff  “o atentado de Julho de 1937 contra Salazar não foi sequer o mais espetacular das manifestações da tensão armada dos anos da Guerra Civil de Espanha. A revolta da Armada de Setembro de 1936, motim de marinheiros planeado pela organização comunista (a Organização Revolucionária da Armada) dentro da marinha de guerra, eclode algumas semanas após o início da guerra em Espanha. 
Depois de ter conseguido controlar a situação – não sem antes ordenar o afundamento de dois navios de guerra controlados pelos rebeldes –, Salazar ordenou a deportação para o arquipélago de Cabo Verde, de um grupo inicial de 152 presos políticos, que foram forçados a construir a sua própria prisão, a qual se viria a tornar no mais sinistro e emblemático dos campos de concentração portugueses: o Tarrafal, na Ilha de Santiago”.


A Revolta dos Marinheiros - Setembro de 1936
 
Hoje, com o 'sentido patriótico' que é notório verificar nas fileiras, não seria possível outro 28 de Maio, um 31 de Janeiro, o assalto ao Quartel de Beja, o atentado a Salazar, o assalto ao Santa Maria, o ataque à antiga Base Aérea nº. 3 e tantos outros momentos gritantes da história portuguesa. Ainda se viram alguns fogachos entre o 25 de Abril e o 25 de Novembro, mas não terão passado de 'cantos do cisne', coisa que acontece quando se entra em coma profundo e se prenuncia a morte.

Talvez tenhamos de importar exemplos de luta, de coragem de dizer não, de resistência à destruição que está em curso nas Forças Armadas Portuguesas, porque aceitam que um qualquer aprendiz de governante venha destruir uma obra que demorou séculos a consolidar:
O CORPO DE ESPÍRITO E A COESÃO DE UMAS FORÇAS ARMADAS QUE NÃO SE DEIXARÃO ENREDAR NAS ONDA DE DESTRUIÇÃO QUE ESTÁ A SER APANÁGIO DO ACTUAL (DES)GOVERNO DA REPÚBLICA!