segunda-feira, 29 de outubro de 2012

REINVENTEM, PÁ!...

Centro de Estágios para Formação de Oficiais Generais da GNR
Tenho andado intrigado com o facto de os Oficiais superiores da GNR não terem percebido que servem um País onde o "QUERO...POSSO...MANDO..." dos senhores da governança é por demais evidente. Como a Guarda sempre foi um suporte da chamada 'ditadura Salazarista', não cuidou o Governo que pudesse haver alguma contestação às vontades expressas pelas altas instâncias do País, como é o caso do Ministro da tutela, que procura vêr no actuais Chefes Militares os 'yes, sir' sempre prontos para tentarem fazer  a defesa dos seus próprios  'tachos', realidade que  é constatada,  infelizmente, na acção de determinados 'senhores da guerra'.
O verdadeiro 'busílis' desta questão é o venerando, querido, adorado, reverenciado, idolatrado e mais que venerado alto magistrado da Nação, que não há meio de se penitenciar pela porcaria que tem feito em prol do Povo que teve a desgraçada ideia de o colocar no poleiro de Belém!
Esse senhor é que deveria tomar consciência de que tem para com Portugal um dever a cumprir... e esse dever não é contribuír para o martírio de um Povo que clama por justiça social. Porque será que este senhor de Belém não deseja vêr Oficiais Superiores da Guarda Nacional Republicana serem promovidos a Oficiais Generais?
Alguns Oficiais Superiores reclamaram da nomeação de Oficiais Generais do Exército para suprir as vagas (?) existentes na Guarda, onde já se encontram a fazer estágio (?), segundo notícias recentes, mas a mão pesada da justiça caíu inexorável sobre dois desses 'malfeitores contestatários', pelo que dois deles se viram exonerados das funções que exerciam, sem apelo nem agravo. Tinham alguma coisa que pedir no Tribunal providência cautelar para evitar a 'nomeação' dos dois novos Generais?  
Meia centena de oficiais superiores da Guarda Nacional Republicana  ameaçam mover um processo em tribunal contra o Comando Geral caso este não divulgue as listas para promoções.
Em requerimento foi solicitado ao Comando Geral da Guarda Nacional Republicana (GNR) a "divulgação da informação, por escrito e de acordo com a lei, das listas dos oficiais que preenchem os requisitos para serem promovidos a Tenente Coronel e a Coronel".
"Caso o Comando não divulgue as listas, os oficiais avançam para tribunal", porque o "acesso à informação é um direito constitucional previsto na lei, o que não tem acontecido desde 2008, o que é ilegal", do ponto de vista do direito administrativo.
"Está previsto na lei que o comandante geral da Guarda divulgue, até 15 de janeiro de cada ano, as listas com os nomes dos oficiais em condições de serem promovidos", de acordo com o artigo 315 do regulamento da GNR.
Não é estranho que  se considerem excessivos os Oficiais Generais nos Ramos das Forças Armadas...mas não haja limite para os Generais da GNR? Porquê? Se a 'Tropa' não é já necessária -  se é maltratada será porque estão fartos dela... - porque não acabam de vez com ela? Não será possível a GNR fazer as vezes de Exército, Armada e Força Aérea? É que pouco falta para isso, uma vez que têm todas essas valências e mais algumas... como seja a estima e confiança total do Governo. Reformulem, reorganizem, façam aquilo que melhor sabem fazer: INVENTEM! 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

CONVITE À REFLEXÃO


"Caros Amigos
 Em anexo deixo um texto assinado por pessoa que muito prezo, Oficial Comando,com cujo conteúdo me solidarizo. Por esse motivo vo-lo envio para reflexão."

...
«Caros Camaradas
A minha instintiva reacção a esta convocatória dos " sindicatos militares", AP, ANS e AOFA, é francamente negativa.
Como todos sabemos, os últimos anos de governo socialista levou o País á falência.
Quando se pediu dinheiro emprestado à Troika já não havia capacidade de pagar os ordenados do mês seguinte, aos cerca de 700.000 empregados do Estado.
O Estado, e de um modo geral as famílias, tinham gasto muito mais dinheiro do que ganhavam, à base de sucessivos empréstimos irresponsáveis.
Nem todos somos responsáveis, mas temos que nos solidarizar como um todo, limpando as dívidas e arrancando de novo. Enquanto esta operação acontece, liderada pelo actual governo, com toda a sua evidente dedicação e espírito de serviço, temos que estar atentos em apoiar todos aqueles que estejam em especiais dificuldades.
Sei que neste momento existem inúmeras organizações que estão no terreno a trabalhar com afinco neste sector.
Fala-se que em todo o País haverá várias centenas de milhares de pessoas em "part-time" ou "full-time", que sem publicidade ou atenção da "mídia"se dedicam de alma e coração ao apoio social. Misericórdias, Cáritas, Banco Alimentar e milhares de outras organizaçôes locais, de apoio aos velhos e desempregados.Todos somos poucos...
Entretanto o PCP, com o seu braço armado, a CGTP, vai desenvolvendo uma "política de terra queimada", de quanto pior melhor. Canalizou toda a sua acção no controlo dos sindicatos dos transportes, pois paralizando os comboios, metro, autocarros e camionetas, impedem as pessoas de aceder aos locais de trabalho, paralizando grande parte da produção.
Se a isto adicionarmos as greves nos portos que continuam desde Setembro sem fim à vista, impedindo exportar o que produzimos e importar matérias primas para transformar, bem como 70% da nossa alimentação que vem do exterior, percebemos que o inimígo não é o actual governo, que melhor ou pior está a batalhar, mas sim o trabalho criminoso dos comunístas e seus idiotas úteis, tais como o BE e grande parte da Comunicação, tv,rádio e jornais que de um modo geral, alinham consciente ou inconscientemente, neste crime de lesa Pátria que estamos a assistir.
Assim nesta altura, se algo as ditas " Associações de Praças, Sargentos e Oficiais " podem e devem fazer é não deitar mais achas para a fogueira e apoiar as legítimas hierarquias dos seus Ramos para se manter as FA discipinadas e prontas no serviço à Pátria, para o que der e vier e não como até agora, em grande parte, em actividades políticas de apoio à "revolução em curso".
Há que honrar a farda que se enverga, honrando a memória de todos aqueles que dela foram dignos ao longo dos tempos.!
Hoje mais do que nunca, pois o inimigo está disseminado entre nós e com armas sofisticadas.... a propaganda apanha muitos de nós desprevenidos e vulneráveis. Estejamos atentos.O futuro dos nossos filhos e a memória dos nossos antepassados assim o exige!
Francisco van Uden»
***+***
Não dou opinião sobre aquilo que vai escrito, porque é tempo de cada um pensar por si e agir em conformidade. Por certo haverá muitas pessoas que aceitarão de bom grado ser fiéis à Bandeira sobre a qual um dia juraram! Quando o fizeram disseram aquilo que a Pátria hoje necessitaria que fosse cumprido, nem sendo preciso recorrer ao velho chavão "...mesmo com o sacrifício da própria vida..."!