sábado, 30 de outubro de 2010

NESTE HALLOWEEN 2010...

...DESEJO-VOS TUDO DE BOM... SAÚDE... TRABALHO... DINHEIRO... AMOR...AMIGOS VERDADEIROS... SUPERAÇÃO DA CRISE NO PAÍS... CONCRETIZAÇÃO DOS SONHOS MAIS PROFUNDOS... QUE O VOSSO CLUBE SEJA O CAMPEÃO DOS ÊXITOS...
Bem... isto não passa de um bruxedo do Dia das Bruxas ou do Halloween, que para se concretizar apenas necessita que acredites que não há bruxas... mesmo que saibas que as há! Já olhastes bem para a garota que passa agora por ti? Não é uma feiticeira disfarçada? Então vai ao oculista e muda as lentes, tá?
BOM HALLOWEEN, AMIGOS!!!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Lenda de Santarém

Desde sempre pretendi saber coisas sobre o meio que envolvia a Base Aérea nº. 3. Tive lá companheiros e bons amigos a residir, além de que outros desses amigos serem naturais de uma terra castiça, hospitaleira e sempre pronta a apoiar tudo o que se faça em prol dos outros, com uma generosidade impar.
Das histórias sobre Santarém escolhi dar-vos a conhecer esta, porque me parece significativa.
" A origem da antiguidade de Santarém, perde-se na noite dos séculos. Foi uma cidade da antiga Lusitânia, que passou por ela, antes dos Romanos, vários povos: Fenícios, Gregos e Cartagineses. Ora conta a lenda que reinava na Lusitânia o Rei Gorgoris, chamado de "O Melícola" por ter ensinado o seu povo a extraír mel dos favos das abelhas.
Certo dia, chegou ao cais de Melícola o navio do grego Ulisses, que vinha abastecer-se de comida e água e, também, comprar o famoso mel daquela região.
O herói grego desembarcou para falar com o rei, mas encontrou Calipso e logo se apaixonaram e, esquecidos de tudo, ficaram dias e dias gozando as delícias daquele país de sol, floridos campos e frondosas florestas. Os caçadores viram os namorados e foram contar ao rei Gorgoris.
Furioso, o rei ameaçou de morte o estrangeiro Ulisses, porque não queria que a filha gostasse dele. Ulisses fugiu, às escondidas, numa noite escura. E a pobre princesa ficou abandonada e à espera de, em breve, ter um filho. A criança nasceu linda como um anjo. Num braço tinha marcada a vermelho uma flôr que a princesa beijou, com muita ternura. - Ábidis, assim te chamarás!
Melícola mandou pôr o recém-nascido num cesto e lançar o cesto ao rio. O cesto ficou encalhado numa praia do Tejo. Vieram as corças beber ao rio. Uma delas aproximou-se do cesto. Puxou-o e deu de mamar a Ábidis. O Príncipe foi criado pelos animais do bosque.
Ábidis tornou-se num belo rapaz, que se alimentava de peixe do rio e frutos silvestres, e estava habituado a conviver com os animais. Mas um dia, uns caçadores surpreenderam aquele rapaz selvagem, capturaram-no e levaram-no à presença de Calipso, sua mãe. Calipso reconheceu em Ábidis, através de um sinal de nascença, o seu filho abandonado.
Ora, o rei Gorgoris já estava muito velho e andava desgostoso, porque não tinha herdeiro varão, para o suceder no trono. Quando soube que o neto tinha sido encontrado, ficou muito feliz e resolveu educá-lo como seu sucessor. Ábidis tornou-se assim no rei dos Lusitanos, um rei justo, sábio e humano, que mandou edificar uma cidade no sítio onde viveu os primeiros anos da sua vida.
A essa cidade chamou Esca-Ábidis, que significa manjar do príncipe Ábidis, o primeiro nome da cidade de Santarém, cujos habitantes são até hoje conhecidos por escalabitanos."

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

OS CONTRATADOS DA FAP

No dia em que tive o desgosto de vêr entregar ao Exército a antiga Base Aérea nº. 3, recordo ter dito ao então Capelão Chefe, o saudoso Padre Manuel Baptista Gonçalves Pedro, que lá havia sido Capelão, que aquilo era o sinal dos tempos e a Força Aérea, de cedência em cedência, iria acabar por desbaratar todo o seu património, pois os anéis estavam a começar a ser vendidos ao desbarato.
Tive de imediato o pressentimento de que a coisa não iria ficar por ali, pois forçoso seria diminuirem os quadros, até porque não havia necessidade de tanta gente, depois que fecharam as Unidades no Ultramar, e agora estavam a ser encerradas as Unidades metropolitanas... logo o pessoal seria reduzido forçosamente, o que veio a verificar-se.
Depois tentou-se a semi-profissionalização dos Militares, fazendo-se contratos daqueles que se tornavam necessários para o regular funcionamento das Unidades, mas poderei afirmar ter sido um tiro no pé dado pela hierarquia, já que o terem terminado com o Serviço Militar Obrigatório forçosamente acabou com os Soldados, desfalcando de um modo especial a Polícia Aérea, que nunca mais conseguiu ter efectivos completos, chegando-se ao ponto de se ter pensado em colocar empresas de segurança a policiar as Unidades e Serviços... esquecendo que bastaria pagar aos jovens que na FAP foram especializados em Polícia Aérea o mesmo que iriam pagar às firmas de Segurança e tinham o problema resolvido.
Mas agora... O GOVERNO RESOLVEU REDUZIR EM 3.000 O NÚMERO DE CONTRATADOS QUE ESTÃO AO SERVIÇO!
AINDA VEREMOS OS SARGENTOS A FAZEREM SERVIÇO DE GUARDA E REFORÇO E OS OFICIAIS SUBALTERNOS COMO CABOS DA GUARDA!
Longe vão os tempos em que as Paradas se enchiam de garbosos rapazes que enchiam o peito de orgulho no dia do seu Juramento de Bandeira!
Longe vão os tempos em que a Força Aérea tinha orgulho em dar formação aos jovens que nela haviam escolhido servir a Pátria, pois o facto de envergarem a farda azul ou o camuflado com a Boina Azul na cabeça dava-lhes a noção de que estavam a contribuír para a dignificação e o prestígio cada vez maior da Arma de Aeronáutica Militar Portuguesa.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

ENCONTRO DE PESSOAL DA EX-BA3

Clicar para lêr
Não é o 10º. Encontro mas sim o 9º. O que interessa é informar que vai ser realizado mais um convívio e aqueles que ainda sentem no peito o apelo da antiga Base Aérea nº. 3 devem dizer presente...

REFORMAS NA SAÚDE MILITAR

Clicar para lêr
Comentários para quê? Leiam e pensem maduramente neste documento! Lima Coelho e a Associação de Sargentos que preside têm de saber que podem contar com cada um de nós, Sargentos e Praças, esperando-se que a Associação de Oficiais não se mostre contra a possibilidade de um dia poder haver um Sindicato dos Militares das Forças Armadas, única forma de lutar contra o estado de coisas a que se chegou.
Não é uma questão de vencimentos, de reformas na Saúde Militar, Progressão de Carreiras ou qualquer outro interesse corporativo! Não! São as mentiras constantes que ouvimos por parte dos titulares da Instituição Militar, a começar pelo Exmº. Ministro da Tutela e os seus Secretários e Chefes dos Ramos das Forças Armadas.
Nós, antigos Militares que agora estamos na Reforma, temos medo pelo que está para acontecer aos que se encontram ainda ao serviço, pois não auguramos nada de bom, a avaliar pelos sinais que vamos constatando no quotidiano.
Perder a dignidade... nunca!!!

ENCONTRO DE MILITARES

Ninguém pode dizer "DESTA ÁGUA NÃO BEBEREI"... porque todos não seremos demais para "obrigar" as Autoridades (?) Governamentais a dizer o que somos para eles... apesar de haver a impressão generalizada de que apenas interessava a estes senhores quando era necessária "CARNE PARA CANHÃO".
Agora o tempo é de paz... para que interessam os que escaparam das agruras da guerra que tiveram de suportar? Isto falando dos antigos Combatentes, Veteranos ou , na óptica governamental, "Parvos" Militares que se deixaram "comer mais uma vez" ao acreditarem que a Pátria lhes estaria reconhecida e lhes faria justiça, dando-lhes a dignidade necessária até que a morte os possa levar.